É uma série que conta a parceria do negociador de sequestros Holden Ford com o agente veterano Bill Tench no inicio dos estudos de uma nova classe de assassinos. Que a serie consta com nomes de peso como David Fincher, na direção de alguns episódios, todo mundo sabe. Mas o que iremos trazer são as histórias reais em que a série foi baseada.

Mindhunter: O Primeiro Caçador de Serial Killers Americano

A série original da Netflix é baseada no livro “Mindhunter: O Primeiro Caçador de Serial Killers Americano”, escrito por Mark Olshaker e John Douglas, esse ultimo, foi fundador chefe da Unidade de Apoio Investigativo do FBI, criada em 1980. Ali, ajudou a desenvolver e a estabelecer a prática de análise de perfis para a resolução dos casos mais assustadores envolvendo serial killers nos Estados Unidos. O livro descreve o relato da vida de Douglas como agente especial do FBI e da mente de alguns dos mais conhecidos serial killers que ele entrevistou.

Holden Ford e Bill Tench

John Douglas e Robert Ressler

Holden Ford e Bill Tench foram inspirados nos agentes especiais John Douglas e Robert Ressler.

John Douglas é o escritor do livro Mindhunter: O Primeiro Caçador de Serial Killers Americano em parceria com o escritor Mark Olshaker, livro em que a Netflix se baseou para criar o seriado. Ele é considerado o primeiro profissional criminal que escreveu livros sobre psicologia criminal. Ele realmente foi transferido do setor de negociação de sequestros para a Unidade de Ciência Comportamental do FBI em 1977.

Robert Ressler também foi agente do FBI no setor de Unidade de Ciência Comportamental na década de 70, atribui-se a ele a designação do termo em inglês “serial killer”. Também serviu de conselheiro para o autor Thomas Harris na criação do personagem Hannibal Lecter. Assim como Douglas, Robert também escreve livros sobre o tema, seu livro mais famoso é sua autobiografia Whoever Fights Monsters: My Twenty Years Tracking Serial Killers for the FBI (livro sem tradução no Brasil).

John Douglas e Rober Ressler realmente trabalharam juntos, mas não eram os pioneiros da Unidade, estavam aperfeiçoando técnicas desenvolvidas por Howard Teten e Pat Mullany. Também, não eram os únicos na unidade, a unidade possuía outros agentes como Roy Hazelwood.

Wendy Carr

Dra. Ann Wolbert Burgess

Dra. Wendy Carr é baseado na Dra. Ann Wolbert Burgess, a pioneira no tratamento de vitimas de abusos e traumas. Nos anos 70, for responsável por fundar o primeiro hospital com programas de aconselhamento para vitimas de rapto em Boston. Como resultado do seu experimento, Burguess também trabalhou na Unidade de Ciência Comportamental do FBI para estabelecer conexões entre serial killers e seus passados traumáticos.

Edmund Kemper

Edmund Kemper

O serial killer mais participativo da primeira temporada é conhecido como O Assassino de Colegiais. Muito possivelmente as descrições relatadas na série sobre os maus tratos que ele recebida de sua mãe eram reais. Sua primeira morte foi à própria avó, em quem ele deu um tiro na cabeça, porque ela mandou ele parar de atirar em pássaros. Após isso, com 15 anos, Kemper foi internado em um clinica psiquiátrica recebendo o diagnostico de esquizofrenia paranoide e também com um altíssimo QI, poderia ser considerado um gênio. Conseguiu sua liberação aos 21 anos, após enganar os médicos, decorando as respostas corretas de inúmeros testes psicológicos. Após três anos, ele iniciou sua onda de matança, sua preferencia eram colegiais. Ele decapitava os corpos e praticava sexo oral com as cabeças delas. Até se entregar para a policia comprovando seus crimes. Kemper permanece preso por 8 crimes e é considerado um prisioneiro modelo.

Jerry Brudos

Jerry Brudos

Jerome Henry “Jerry” Brudos é conhecido como O Assassino Fetichista. Jerry foi preso pelo assassinato de quatro mulheres. Aparece na série na cena em se masturba com um sapato feminino. Após matar as mulheres, Jerry mantinha seus corpos por dias, fazendo sexo com eles, trocando suas roupas, vestindo ele mesmo as roupas dos corpos e sapatos femininos. Enquanto estava preso, sua cela era repleta de sapatos femininos, pois possui um grande fetiche por eles. Em 2006, Brudos morre na prisão com uma doença no fígado.

Richard Bejamin Speck

Richard Bejamin Speck

Speck é considerado um assassino em massa, cometendo um único atentado em uma noite que gerou a morte oito estudantes de enfermagem. Mas deixou uma sobrevivente que o identificou pela tatuagem em seu braço que dizia: “Nascido para criar problemas”. Speck realmente teve diversas tentativas de suicídio na prisão. Até que em 91, morreu de ataque cardíaco. Em 96, após sua morte, um vídeo de duas horas gravado em 1988 na prisão de Stateville, exibe Speck fazendo sexo oral em outro prisioneiro e com seios desenvolvidos por hormônios contrabandeados para dentro da prisão.

Monte Rissell

Monte Rissell

Rissel começou a estuprar mulheres ainda muito novo, com 14 anos. Aos 19 anos, foi preso por 12 estupros e cinco assassinatos de mulheres. Fez seu primeiro assassinato no dia em que soube que sua ex-namorada estaria com outro homem. Foi preso em 1977 e permanece até hoje sem condicional.

Darrell Gene Devier

Darrell Gene Devier

Devier não foi um assassino em serie. Foi preso em 1979 pelo sequestro, estupro e assassinado de uma menina de 12 anos. Ele confessou o crime e foi executado em 1995 na cadeira elétrica, após o estado de Geórgia voltar com a pratica da pena de morte.

SPOILER!!!

 

Dennis Lynn Rader

Dennis Lynn Rader

No inicio de todos os episódios aparece um trechinho do dia a dia de alguém, mas não citam seu nome. Inclusive a cena final da temporada é focada nessa pessoa. Esse é o conhecido assassino BTK, durante o seu tempo ativo. BTK significa “Bind, Torture, Kill”, ou seja, “Amarrar, Torturar, Matar”. Dennis Rader era um pai de família que frequentava a igreja, mas ao mesmo tempo, era um serial killer que matou oito mulheres e dois homens entre 1974 e 1991. Rader escrevia poemas para as suas vitimas, se vestia com suas roupas e se fotografava em poses ao estilo fetishista de bondage. Foi preso somente em 2005, justamente por causa dos resultados dos estudos do Centro de Unidade Comportamental. Mas seus números de assassinatos podem variar, pois ele teve hiatos sem matança por alguns anos, e após voltou a matar, ligando para a policia e relatando pistas sobre seus assassinatos, os quais foi condenado. Permanece preso até hoje no Kansas.

A importância de BTK para a série, teremos que aguardar a segunda temporada de Mindhunter para descobrir, mas caso queira saber mais sobre ele enquanto aguarda, possui vários filmes sobre sua história, como The BTK Killer ou Caçada ao Assassino BTK de Stephen Kay.

 

Além desses no decorrer da série, são citados mais nomes de assassinos reais que não são mostrados, como Charles Manson, Berkowitz, entre outros.

Quais outros filmes ou seriados baseados na realidade vocês gostariam de ver aqui? Deixem nos comentários.

Compartilhe.